0

Meio Almodovar – canção

Dois anos sem escrever no blog, que vergonha ! Como justificativa, posso dizer que nesse período muitas coisas mudaram na minha vida pessoal e profissional. Do pessoal, quem me é próximo sabe. Do profissional, basta dizer que lancei dois discos nesse período, “Aldeia” (2009) e o recém- lançado “Goa”, que vai virar DVD/CD ao vivo, gravado no SESC da Vila Mariana, em São Paulo, no dia 12 de abril de 2011. Isso sem contar o “Amor até o fim”, dos Trovadores Urbanos (2010), disco complexo e extenso, trabalho suficiente, portanto, pra justificar falta de tempo.

 

Está na lista de minhas resoluções pra 2011, rs… : prometo ser mais assíduo, pessoal !

De qualquer maneira, estou aqui, de volta ao “De cabeceira”. Teria várias coisas pra comentar, pra destacar, assuntos pra virarem tópicos do blog. A seu tempo, eles serão postados. Mas preferi reinaugurar o espaço falando de uma canção que faz parte do meu disco “Goa”. Sei que elogio em boca própria é vitupério, mas, como verão, não se trata disso, eis que aqui estarei apenas como narrador objetivo de fatos. Ademais, não apenas por ser uma música importante da minha discografia, mas também porque, além do curioso processo de sua criação, que narrarei adiante, ela me apresentou uma série de bônus e ônus em feed backs na Internet, que bem ilustram as possibilidades e loucuras que permeiam o espaço internético nesses nossos tempos.A história é a seguinte : Fiz o começo dessa letra há um ano e meio, dois anos, mais ou menos. Já estava gravando o disco, e pensei : “essa é pro Lenine”. Amigos há muito tempo, já tínhamos falado em uma parceria, nunca concretizada. Entreguei-lhe, então, um início de letra, que era o seguinte: “Foi só um ensaio / foi só um insight / durou muito pouco / doeu muito mais / foi trailer de filme / ensaio de orquestra / foi jogo suspenso / no auge da festa / foi curto e intenso / canção de Caymmi / foi meio Almodóvar / foi meio Fellini / foi como um cometa / no céu da cidade / foi breve promessa de felicidade”.Ele gostou, e ficamos de combinar o próximo capítulo. Nesse interregno, continuei gravando o disco, e as músicas foram ficando prontas, a coisa avançando…e nossas agendas não combinavam. Fui pro Rio, ele veio pra São Paulo, mas sempre na correria, sempre sem tempo, e o tempo passando…

Aí chegou um momento em que olhei o calendário e falei pra mim mesmo : “ou eu mudo tudo ou não vai rolar essa música”. E, realmente, estávamos no início de setembro (de 2010), o disco já tinha pré-lançamento programado para o final de novembro, e todas as outras faixas estavam praticamente prontas. Eu tinha umas três semanas, no máximo, pra que a música fosse concluída, para que eu a gravasse, mixasse e masterizasse com as demais canções do disco, pra que desse tempo do produto ser finalizado até a data agendada.

Diante dessa impossibilidade temporal, liguei pro Lenine e combinei o seguinte : “me devolva a letra, que eu termino a canção, e aí cantamos juntos na gravação”.

Ele topou, e aí eu tive que pegar aquela letra dolorida, reviver de novo as razões pelas quais escrevera aquilo, e avançar mais ainda num masoquismo saudável (porque artístico) mas ainda assim incômodo e auto-flagelante. Me debrucei sobre aquela história durante alguns dias, e a música saiu, com começo, meio e fim. Com aquela letra original, agora musicada por mim, com introdução vocal e tudo, e mais um refrão, com os seguintes versos : “eu morro de saudades do que era pra viver/ e vivo da viagem de reencontrar você/ meus olhos do passado num futuro que nem sei/ de tantas outras vidas/ mil pontos de partida/ e todos os detalhes do que não aconteceu/ repetem o roteiro pra mostrar você e eu/ o filme recomeça e nunca chega até o fim / e nessa nova vida / não tem a despedida”.

Demorou uma semana, digamos, pra que eu a concluísse. Mostrei ao Fontanetti, produtor do disco, que criou a levada do violão, chamou o grande baixista Silvinho Mazzucca, e o também excelente baterista Sérgio Reze. Em mais uma semana, a base de violão, guitarra e baixo estava pronta. Quando chegou esse momento, eu já fizera mais uma parte da letra, para ser cantada na repetição da melodia da primeira parte: “foi só a voz guia/ foi nem a metade / foi estrela guia / foi tanta verdade / um mero rascunho / mas foi divindade / grafite no muro da minha saudade”.

 

Estava pronta a canção.Gravei os vocais, cantei a música em dois canais. E aí Fontanetti enviou aquelas gravações instrumentais/vocais por email para o Tolstoi Junior, guitarrista do Lenine, que recebeu os arquivos, e, equilibrando a agenda do seu estúdio com a já louca agenda do galego, conseguiu um espaço pra gravação daquela participação especial.Liguei pra ele : “Lenine, quer que eu também te mande a gravação pra você ir ouvindo a música ?” A resposta : “Não quero ouvir nada antes. Quero chegar no estúdio sem conhecer nada, pra gravar com a emoção da primeira audição”.

Senhoras e senhores, deu certo, mas foi aos 45 do segundo tempo. Quase na prorrogação. Recebemos a gravação das vozes de Lenine na madrugada de sexta-feira, dia 8 de outubro. Ele a gravara algumas horas antes. Na tarde daquela mesma sexta-feira, eu iria pra Avaré, dirigir o festival, que seria finalizado no domingo, dia 10, com show de Caetano Veloso. No dia 11, segunda-feira, eu deveria estar novamente em São Paulo, para a masterização do disco, às dez da manhã.

Foi a toque de caixa, portanto, que Fontanetti e eu editamos as vozes, de Lenine e a minha. Ambos tínhamos gravado a música inteira, em dois canais. Quem canta primeiro ? Quem canta depois ? Quem faz a primeira voz ? Quem faz a segunda ? Definimos o mapa da coisa, e aí eu saí de viagem, deixando ao produtor a finalização do trabalho, com a gravação do piano do José Godoy, e a mixagem da canção.

(digno de registro que me emocionou a sensibilidade e generosidade do meu companheiro de gravação, que arrasou em sua participação).

Tudo deu certo, afinal. A música recém-composta, a gravação de afogadilho, pela Internet, a finalização na tal undécima hora…Masterizamos no prazo, o disco ficou pronto.
(Pra quem ainda não conhece e quiser ouvir o resultado final, eis um link do youtube : http://www.youtube.com/watch?v=BtnaK4JKkQ8)Lançado o “Goa”, “Meio Almodóvar” logo começou a ser executada em algumas rádios, e teve início um impressionante retorno na Internet, de pessoas tocadas pela canção. Em redes sociais, em blogs, no You tube… Na verdade, tudo é muito recente. A caminhada está no comecinho (afinal, a música foi criada há pouco mais de seis meses…), mas a largada, saibam, foi muito promissora.E aí veio uma espécie de efeito colateral da coisa. Fui gravar um programa de TV, e a produtora perguntou à minha assessora de imprensa : “só confirmando a autoria da música : Nado Siqueira e Juca Novaes, é isso ?”

“NADO SIQUEIRA ? Como assim ? Quem é Nado Siqueira ?”

Pois é, gente. Quem é Nado Siqueira ? Procurem por “Meio Almodóvar” no Google. Em vários sites constará a autoria como “Nado Siqueira/ Juca Novaes”.

Vejam só. Pra chegar ao “Meio Almodóvar”, eu, no mínimo, assisti a todos os filmes do Almodóvar e do Fellini, ouvi canções de Caymmi e de tantos outros, gravei quinze discos, e portanto gravei muitas vozes guias, vi cometas no céu da cidade, criei mais de 200 canções, li e ralei pra caramba, aprendi a canalizar minhas paixões pra musica, tive uma experiência pessoal riquíssima que inspirou essa canção, e o Nado Siqueira, que nem sei quem é, chega sem passar por nada disso e, assim, subitamente, sem aviso prévio, vira uma espécie de sócio ?

Que a Internet é terra de ninguém, eu já sabia. Que os dados que surgem nos websites e páginas do gênero precisam ser checados, também sabia. Que é preciso separar o joio do trigo nessa imensa quantidade de dados e informações, também sabia. A única coisa da qual não sabia fica na pergunta que deixo aqui, pra encerrar esse meu alegro ma non troppo :

Gente, afinal, quem é Nado Siqueira ????

facebooktwittergoogle plus


Leave a Reply