Nascido em Avaré, no interior de São Paulo, Juca Novaes é filho de mãe cantora de rádio, vencedora do Concurso IV Centenário, da Rádio Nacional.

Natural que tenha aprendido a ouvir, desde pequeno, as preciosidades que tinha em casa: álbuns de Dorival Caymmi e Sílvio Caldas. Mas também não deixou de se apaixonar por Beatles e pela Jovem Guarda, como todo garoto da época. Começou, aos 8 anos, a estudar piano clássico. Aos 12, se encantou por tudo que havia de melhor na MPB; João Gilberto é ídolo desde então. “Virou paixão de colecionador”, diz Juca. Ao mesmo tempo, com a mesma intensidade, o menino se envolvia com a literatura. Tinha grande proximidade com o tio, Israel Dias Novaes, bibliófilo que, mais tarde, pertenceria à Academia Paulista de Letras. Juca vivia viajando pelas maravilhas, clássicos e raridades da imensa biblioteca na casa do tio. O interesse pela história das músicas, das letras, das composições e dos autores só crescia. Juca Novaes conta que tem clara memória de tudo o que aconteceu na música brasileira a partir dos anos 70, com os grandes festivais.

E foi justamente nos festivais que Juca se descobriu produzindo música. Adolescente, foi premiado no Festival de Lins (SP), com a letra e música de “Concreto”, uma das suas primeiras criações. Quando Juca muda-se para São Paulo, para cursar Direito na PUC, o contato com os festivais aumenta ainda mais, tendo vestido o Festival da PUC, no último ano do curso, o que lhe abriu as portas para uma gravação no importante programa “FM Inéditos”, da rádio Eldorado. A partir daí, estudou violão clássico, aprimorou seu lado autoral, gravou quatro discos em parceria com o também Trovador Urbano Eduardo Santhana e, agora, chega à maturidade com seu primeiro trabalho efetivamente solo, da concepção à criação das canções, dos arranjos – em parceria com o produtor do CD, Alexandre Fontanetti -, às interpretações e finalização das gravações.

Há também na trajetória de Juca uma outra grande referência no universo dos festivais de música popular. Há 28 anos, Juca Novaes criou a Feira Avareense de Música Popular (Fampop), em sua cidade natal, evento que preside até hoje. A Fampop, segundo Zuza Homem de Mello, é o mais importante festival regional do Brasil.Como produtor, além de liderar a criação do Festival de Avaré (SP) e a produção dos quatorze discos resultantes do evento, coordenou a produção do Festival Carrefour de MPB (1991/ 1993), e em 2000 atuou como consultor da Rede Globo de Televisão na realização do Festival da Música Popular Brasileira.

Compositor, cantor, produtor, Juca tem dezenas de músicas gravadas, algumas delas por nomes importantes da MPB como Jane Duboc e Alaíde Costa, e por novos artistas como Bruna Caram, Dani Lasalvia, Lucila Novaes, Daisy Cordeiro e Cláudio Lacerda. Com seu parceiro Edu Santhana lançou quatro discos autorais: Encontro das águas (1991 ), Lua do Brasil (1995), Kathmandú (2000) e 10 anos (2001).

Dentre outras atividades ligadas à música, editou o jornal “Tambores”; produziu e apresentou o programa de rádio “Feira Brasil”, e é signatário da criação do Fórum Nacional de Música, em Brasília, em 2005.

Também é advogado, especializado em direitos autorais.